segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Como fazer saxofone atraves de uma vuvuzela e boquilha de sax com pvc


Olá macacada, tudo bem?
Bom, inspirado neste vídeo ( http://www.youtube.com/watch?v=XUKYoNlB_Nc ), parti para a empreita, e fiz meu primeiro saxofone soprano em La/A baixo, a partir de uma vuvuzela, conforme o plano abaixo:


Criação da boquilha:

Como podem perceber, o plano contem  instruções de como fazer a boquilha para a palheta (uso a palheta de saxofone soprano, mas nada impede de se usar outras, como do alto), em pvc, pois não tenho dinheiro para comprar uma boquilha. Caso forem fazer uma boquilha t, digo que o negócio é ir fazendo e testando, sendo que o som fica bom com uma combinação de inclinação da boquilha x altura da palheta (isto é, a distancia entre a ponta da palheta e o pvc).

Para amarrar a palheta, uso barbante. Para vedar ao colocar no bocal da vuvuzela, passo uma pequena camada de fita durex no pvc.

Considerações sobre o instrumento: 

A vuvuzela tem 57cm de comprimento, porém, ressoa em La/A, devido a grande abertura de sua campana. Esta afinação se dá a partir de 33cm para frente, fora que o diâmetro do tubo cônico aumenta drasticamente em 41cm.
Acredito que um tubo que siga o diâmetro conico de forma progressiva e não radical deve dar outras afinações interessantes, visto que num saxofone soprano o tubo não se altera de diametro de forma radical, mas sim de forma progressiva, e ressoa em Sib em aproximadamente 65cm (estimativa tirada da leitura deste link: www.garantiertsax.de/faq.htm)

Como furar a vuvuzela:

Vá fazendo furos com um estilete, de forma lenta e sem força. O plastico da vuvuzela (pelo menos da minha) é muito mole, portanto, empregar muita força no estilete pode fazer um corte maior do que o esperado.

Pode-se remendar e tapar furos errados e afins com durex ou fita adesiva, isolante, durepox e outros. Eu pelo menos uso durex.

Vídeo do vuvusax em ação:




2 comentários:

  1. como achar a posição exata dos furos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faça o teorema de pitágoras: divide o comprimento (o meio será o orificício do dedo anelar esquerdo), depois divide de novo o comprimento (a metade da metade) e assim até achar todos os furos. Claro que o teorema é uma teoria, na vida real não vai tão bem, então, recomendo fazer furos pequenos e ver se a nota está correta por um afinador, se sim, blz, se for muito baixa-bemol, aumente o furo, se for acima do devido, feche ele e faça noutra posição. Os furos, quanto mais para o bocal, mas agudo, quanto mais para o final, mais grave. Quanto maior os furos maior é a projeção (volume) do som, mas, ao mesmo tempo cria-se problemas para fechar (pode precisar de chaves).

      Excluir